La Fontaine Bagaceira

Ela comprou perfume caro, vestido curto, sapato alto.
Repicou os cabelos, clareou as mechas, arriscou uma escova definitiva.
Ele preferia a cachaça.
Ela fez a dieta da moda, spinning e musculação.
Botou botox na testa, silicone no peito, fio russo pra levantar a bunda.
Ele apenas caminhava até o bar. E tomava muita cachaça.
Ela arranjou um amante.
Depois um namorado mais novo.
Transou até com uma amiga.
Ele continuava fiel à cachaça.
Ela fez psicoterapia breve, amarração do amor, trabalho pra orixá.
Tomou antidepressivos, coquetel ortomoleculae e florais de bach.
Ele, doses e mais doses de cachaça.
Ela resolveu frequentar também o boteco.
Aprendeu o nome dos graçons.
Fez amizade com a turma.
Ele, quieto, só na cachacinha.
Ela começou a fumar, encher a cara e se drogar.
Um dia, ela morreu de overdose.
Ele, nem sinal de cirrose.


Leia Mais textos da Fernanda