DINOSSAUROS

Encontrei o amigo um dia antes do jantar.
É que o jantar seria formalidades.
Escolhemos uma praia vazia
cheia de pequenos restaurantes
e gastamos um sábado inteiro.

Fui buscá-lo no hotel.

- Amigo velho! Abraçou-me.
Fiquei chocado com seu aspecto físico,
magro, pálido e muito envelhecido.
Eu já havia sido informado do mal que o possuía.

- Há quanto tempo?
tentava engolir minha emoção.
Conversamos o dia inteiro. Contei-lhe as novidades e ele contou-me o seu sucesso financeiro.

- Aqueles tempos difíceis ficaram para trás. Ele me disse.
Falamos de mil coisas
tomamos tanta cerveja
que quase perdemos a fome.

Pedimos os pratos mais caros do cardápio
e ameaçamos uma discussão para decidir quem pagaria a conta. (Uma briga muita feia)

Morávamos distantes,
tínhamos vidas diferentes
Como duas pedras.
Jamais voltaríamos ao sertão
para fazer mapas,
nem sentaríamos no bar de Pereira

ou na casa de colunas
pra falar do universo
e no quarto do posto de gasolina
traçar planos de como vencer na vida.

Dividimos a conta em consenso,
e saímos caminhando pela praia
até o mais distante ponto de táxi.

- Viva os dinossauros!  Gritou de repente o amigo abrindo os braços na direção do oceano.
(As ondas sempre quebrando...)

- Por que?  Perguntei sorrindo.

- Eles viveram há tantos milhões de anos, nada, nada fizeram pelo
mundo, e ainda hoje são lembrados, estudados, procurados,
só porque eram gigantes.

Pôs a mão no meu ombro e continuou:

- Já pensou, amigo velho, daqui há cem anos, quem vai se importar com a gente?

Era a bebida. Só poderia ser. Melhor procurar um táxi.
Também não era muito seguro andar pela praia.

Uma vez dentro do carro
a caminho do hotel,
lembrei de uma pergunta que guardava
comigo, há muito tempo,
escondido no fundo, lá por dentro.

- E o relógio da cigana Esmeralda,  Edmar, você ainda o possui ?

Mas ele não respondeu.
Encostado no vidro da porta, o amigo dormia
o seu cansaço feliz.
 


Escritor pernambucano. Publicou Vários livros de prosa e artigos em jornais e revistas. Foi agricultor e garimpeiro de pedras preciosas em Goiás e na Bahia. Possui um blog na internet: www.assumpreto.zip.net