Anexo 1

O Valadares está em reforma, o que significa que o anexo um da minha casa está temporariamente inativo. Uma pena, já que sou cliente fiel, daqueles que quando vai a outro bar por falta de opção fica comparando: “A porção de tremoço de lá é MUITO melhor” e a cerveja não é tão gelada aqui, o garçom demora pra atender, a conta vem errada e por aí vai... Engraçado é que a gente sabe que todo lugar cultiva seus pequenos defeitos, mas somos fiéis, ora. Obstinadamente freqüentamos o mesmo bar, bebemos com as mesmas pessoas, brigamos com o mesmo garçom, como Hemingway perseguindo o seu peixe, se ocupando da tarefa que lhe dá mais prazer. Não acho justo chamarem de bar esses “lugares de paquera” ou o moderno “lounge”. Deveria existir uma alternativa, assim como o motel é motel e o puteiro é puteiro, bar é bar, não é barzinho ou lounge. As pessoas vão a bares pra beber e conversar, não vão pra arrumar esposas (um sexo casual e oportuno, talvez, embora pela manhã não pareça mais tão oportuno assim). E os barzinhos de happy hour, sobretudo aqueles que ficam de frente pra academias de ginástica? Sinto muito senhores, isso não é um bar. Ser um bar exige uma miríade de detalhes importantes: homens na casa (e acima) dos trinta, copo americano, mesas bambas, banheiro com cara de usado e o dono; entre outras idiossincrasias, o dono do bar é um elemento indispensável num legítimo bar, é aquele cara que você vai chamar pelo apelido (provavelmente um que você mesmo inventou), é quem vai liberar a saideira extra e pendurar outras eventualmente. Isso, senhores, é um bar. Por isso, aguardo ansiosa o término da reforma do Valadares, pra poder chafurdar na maravilhosa porção mista de frios, no já citado tremoço e nas famigeradas manjubinhas veneradas pela minha filha Iara (um ser magrinho, que não liga muito pra comida).

O Valadares fica na Rua Cláudio, esquina com a Coriolano, na Vila Romana, Lapa. (não esquecendo o que fica na Crasso com a Faustolo, nota do editor.)
 

 

Luana Vignon tem 26 anos, mantém uma coluna  na revista virtual Muro escreve regularmente no blog Fake Souvenir e freqüenta assiduamente os bares e teatros da praça Roossevelt (além do Valadares, claro.)