Um Causinho de Alô Brasil

Entre as inúmeras histórias que já ouvimos sobre Cristóvão Colombo da Silva, mais conhecido pela alcunha de Alô Brasil, escolhemos a que segue, que nos foi contada da última vez em que topamos com o também compositor Cesar Teixeira.

O talento de Cristóvão, reconhecido sambista madredivino, era inegável, como também o era seu apetite por bebida alcoólica, em especial suas doses diárias de caninha. O falecido compositor dividia-se entre os repentes de sambas, muitos compostos para a Turma do Quinto, e seu emprego como funcionário público, aonde veio a se aposentar.

Nascido em 12 de outubro de 1922, como ele mesmo cantou, veio a falecer em 1998 e deve ter atingido essa idade graças às longas caminhadas que gostava de fazer. Nunca – muito raramente, melhor dizendo – se queixava da saúde. Para não torrar-lhes as paciências, ao causo, pois.

Cesar um dia encontrou-lhe e Alô Brasil reclamou de fortes dores na barriga, dizia-se enjoado. Ao que aquele retrucou, vendo o copo de pinga, companheiro inseparável, ao seu lado: “Rapaz, tu estás te reclamando de dor na barriga e ‘tá tomando cachaça!”.

Cristóvão sem perder o bom humor nem a viagem, acertou a conta, definitivamente: “É, mas ‘tá com sal dentro!”.

*estudante de Comunicação Social (Jornalismo), é o mais novo freqüentador do Boteco do Tulípio.
 


Zema Ribeiro escreve no blogue http://zemaribeiro.blogspot.com e freqüenta também o Boteco do Tulípio, outro pedaço de paraíso.

Leia outros textos do Zema